Poesia

Chegará Março

14 Abril 2017

Chegará março

E não terei dormido o bastante para acordar

nos vendavais soprados nas janelas

em direção aos rostos das raparigas.

 

Chegará março

como cavalos que venham incendiar searas

e não serei lesto para poisar a mão

nos pêlos sedosos das suas ancas.

Chegará março

rasgando a planície com os perfumes do poente

e não terei o corpo pronto para a respiração.

Chegará março

como a lascívia das searas

e não terei voz para a festa dos pássaros

nem língua com que prove o trigo.

 

Chegará março e os rios me abandonaram.

1985

José Outeiro

 


PUB
PUB

Últimas [Sociedade]