Vila de Punhe

Kin Jong Un nas Neves para a Queimada do Judas

7 Abril 2018
Queimada do Judas nas Neves

No passado sábado de aleluia, 31 de março, voltou-se a realizar no Largo das Neves a Queimada do Judas. Kin Jong Un, líder da Coreia do Norte, foi o tema escolhido. Levado para a forca por quatro “Samurais” e em cima de uma “bomba radioativa”, o Judas (Kin Jong Un) esteve acompanhado no cortejo, em jeito de paródia, por música e inúmeros figurantes alusivos ao sudeste asiático e ao perigo nuclear. 

O testamento, apesar de alguns alertas, foi meigo e deixou sossegado os mais medrosos. No entanto, deixou várias relíquias para os autarcas e associações locais, bem como para as figuras da política nacional e internacional. 

Se antes da Queimada do Judas, teve lugar na capela da Senhora das Neves um concerto brilhante dos Contraponto, no fim, e em ambiente de confraternização, foi lido o esconjuro e servida a tradicional queimada galega. 

A Queimada do Judas, depois de realizada cinco anos consecutivos, é já um número aguardado pela população e já se assevera como uma das atividades culturais mais interessantes do Largo das Neves. O Largo das Neves esteve em festa e voltou a ser um palco privilegiado para a cultura popular e berço especial para a harmonia entre as três comunidades. “Já parecia um dia de festa” comentaram muitos. 

Organizada pelo Núcleo Promotor do Auto da Floripes 5 de Agosto e pelas três autarquias que partilham a “Mesa dos Três Abades” (Barroselas e Carvoeiro, Mujães e Vila de Punhe), a Queimada do Judas, enquanto espetáculo profundamente popular, é concretizada por gerações distintas e por diversas associações e grupos das três comunidades. Um agradecimento especial às pessoas envolvidas – José Gonçalves, Agostinho Cerquido e Rogério Pereira -, às associações – Escuteiros de Mujães, Grupo S. Paulo – e aos grupos – Luar’13 e Idoso + Ativo. 

Queimada do Judas teve como inspiração a Queima do Judas que se realizou no Sábado de Aleluia de 1921 no Largo das Neves. Depois de 92 anos, de um suposto interregno, o Judas voltou, no sábado de aleluia, ao Largo das Neves para censurar e ser queimado na forca. Embora tenha como base a tradicional Queima do Judas, a Queimada do Judas apresenta-se como um conceito aberto e resiliente, permitindo novas e criativas roupagens. Sem deixar de manter na estrutura o testamento e o auto de fé do Judas, o conceito ajusta-se aos tempos de hoje e define como matriz diferenciadora a leitura do esconjuro acompanhado da tradicional queimada galega, com o intuito de, antes de ser queimado, exorcizar os pecados do Judas e permitir uma morte com absolvição e perdão. 

A organização 


PUB
PUB

Últimas [Região]